ANTIPOESIA

ANTIPOESIA
ANTIPOESIA

sábado, 18 de fevereiro de 2017

DESCONSTRUÇÃO V



no rio
        uma brisa húmida
         arrefece o batel
                     a cidade asperge 
                       ilusória beleza 
            quando a luz das lâmpadas amarelas
                    alastra às águas sombrias 
                     oprimidas pela enchente
o cacilheiro ilumina-se
lá dentro os últimos operários do sono
alguém abre a bolsa-do-fel num cunhal pombalino aos pés de um cabaré 
acena a um táxi      o motorista ignora-o
um outro pedaço de lixo aguarda o alvorecer num vão de escadas alagado de quimeras
                       o cais deserto
                último trem para cascais

poucos eram os anos

                       os anos são sempre poucos 
                       mas passam mais depressa

que os próprios anos

as tuas carnes apodreciam no bule de seis asas

uma borboleta esvoaçava nas veias

ansiosa a dona do cão preso ao automóvel comprado no  embuste da flor murcha
                      arrancou

                       arrastando um cedro vermelho

erro
      apocalíptico
                      do comerciante
                                           de ilusões 
                                           retido 
                      nas embalagens 
        do tempo 

                   validade já expirada

                    uma humana cria 
                            dormia
                           exausta
                       de tanto dormir
                         o cão latia
                          atarefado 
                       de tanto latir
                  a dona desesperava
                  pelo tempo perdido 
                      sem amante
                      sem marido

                                       e os anos não perdoam

vai 
    distante
               o fulgor
                          da mocidade
perde-se de vista
                        a graça da juventude
no longínquo pétreo
no caminho perdido
            da cidade submersa
 as árvores envelhecem
               e paralisam de terror os prados

                        o mundo
             transformou-se numa máquina
                       de polir sangue

as 
almas 
são 
sombras 
perversas 
nas 
mãos 
das 
crianças

cântico      silencioso 
no negócio      da cristandade
onde
       sem pudor
                     nem piedade
                                       se usa o nome 
                         de jesus

                          amem

o vale
      consumiu
            a sua beleza
                  incendiados
                         os verdes pinhais
   os raquíticos castinçais
      brejos por lavrar

                   até os amores da infância 
              ardem nos círios oblíquos da ermida

              morreram os poetas sonhadores     

   olhos que não se deleitam nos verdes luzidios

      visão contaminada pela inveja e hipocrisia das gerações doiradas

         saúdo os anciãos no peito da saudade

            inclino-me perante as campas abandonadas

               covais antigos

                  a minha oração é desesperança

                     meu coração tições afogueados

                        a honra perdida
                    nunca mais será vista
                         nem alcançada

                           adeus aldeia
                                adeus

dia de eleições
                    até os miseráveis sorriem 
                 não sabendo porque o fazem
sem consciência
do que lhe irão fazer
povo dono do sofrimento     jugo que carrega tal junta de bois irmanada 
rebelde na fala
                    cobarde na gesto
são milhares nos covis escondidos os que mastigam suas mágoas e expelem queixas nas águas dos bebedouros profanados

que lhes interessa se ao contíguo dói corpo ou alma

chove       aguaceiro infiel
amargurado      sozinho
como cisne que escolhe morro para o derradeiro canto

                        paz às suas penas

povo enlouquecido pelo consumo
          exigência de cosmética social
          como pardal-ladro em beirado
          de luz negra coça-se com o bico 
          corroído nas partes definhadas 
          e engelhadas
gente que grita no delírio da ficção
vinte foram os anos de oiro falso

                 que será deles agora
       amedrontados e abúlicos psicopatas

fantasia das arcas volantes
                e das profecias
                de videntes estremunhados
                pelo ópio da insipiência  
obtusos marujos
                       de água adocicada
                       pelas doações universais

broncos      toscos
                 básicos
                 varredores de parada

a escuta dos genitais
              generais sem armas

               os ais respirados
               com sofreguidão

               invenção projectada
               nas páginas de uma história
               impressa a ranço

inculto e patético            crédulo e ridículo
apático    acrítico            besta de carga
escravo                         servil
                   que sofre

         gazela despedaçada por leões
            ovelha cercada por lobos
             boi atacado por chacais

triste povo
               que padece
               no coração
               da infâmia

                 injustiça sem revolta


                  já não há homens
                 como os de outrora

uma locomotiva azul

mangualde

as bagagens comprimem-se na plataforma

um velho de samarra observa curioso o nosso trem reflectido nos seus olhos aguados
saudade de quem já não tem para onde ir
nem forças para partir

são belas as suas rugas      talvez o sejam também as suas memórias
os botins quase desfeitos pelo tempo batem alternados no solo

          é assim que os pobres aquecem os pés

                    um silvo      partida
                        o tempo pára

            roça a seda nas franjas
             da rapariga adornada 
recolhida nas nuvens de seus olhos a virgindade

vento e chuva pelejam 
          onde brilha o riso do vil pecado

          leões de guarda ao diadema de prata

          os campos cobriram-se de carne mortal no regato banhado por veias de cristal

para quê invocar os santos e anjos quando o senhor guiou moisés nas águas

roupagens de poeira que se encarde de sangue

rostos de fogo
               no amor fazer
               ali onde repousam
               os cem mil corpos

                      barro e cinzas
                  ventura que cresce
                        nas ondas
              que dançam irreverentes
                  ao cantar do galo

                                            os vermes

              o fedor das faixas neonatais 

a sórdida propaganda de corvos ancestrais

nasce um sussurro sobre os meus umbrais
ali se sentaram as dores da vida e as misérias do mundo inteiro
legiões de espectros famintos     quem vos irá ouvir

faces trémulas aos beijos atrozes dos traidores

    pobres manjares

        pensamentos-cascas-de-noz

            lenda poética trazida pela brisa do mar

                noite sem luzeiros nem leito

                  chuva de estrelas no meu peito

fitas verdes nos cabelos a norte

a noite arrosta-se na cauda das sombras do céu vestido de nuvens

no sul o resplendor sagrado que se esconde à hora de mungir o gado

                      a cidade onde nasci
                    tem os dentes cariados
                     cidade onde se dança
                    nas caves da exaustão

as eternas florestas anãs dos cumes são luzes de antigos sonhos sumidos nos nossos milenares desfalecimentos

no calor das algas as térmitas do poder

ligeireza perturbante do divino sorvido por avermelhadas cores

tais dores de colombo desenhadas em mares ignotos e calmarias equatoriais

afinal aquela brisa no monte destacava o despertar de maio
           e o dia que para mim há-de nascer

hinos de atribulação açoitam os ares

trago comigo o meu endereço

                     eu não sou deste mundo

        o mais mítico de todos os homens
aquele que devaneia na imobilidade da carne
encontrar-me-á na sórdida imundície da existência 

juntos combateremos na direcção da morte até que o pélago transborde de agiotas
                                          onzeneiros
                                           bifrontes
                                    filhos-candongueiros
        de um povo propício
      e idiota por destinação 
  
haveremos de reunir ainda que tardiamente todo o meu sangue até que tudo fique límpido e amavioso como espelho ao sol doloridamente nascente em vítreo luzeiro resplendente

os caminhos do reino entorpecido nas esquinas dos prédios altos
      orações que não foram ciciadas pela máscara da cidade
            onde o rio fazia desaguar o odor pútrido a monstros marinhos

                     os vícios da noite
                         segregados
         pelos nomes das mulheres embriagadas
                  a tristeza arremessada
                 pelas conchas espalhadas
                   nas margens da ilusão

                                    heliantos do desejo
                        ardem no silêncio da bruma

passa um humano molhado dos pés à cabeça protegendo-se da urtiga-do-mar do tempo

na mão envelhecida o cigarro apagado das paixões de outrora e o cuspo dos astros impregnado de palavras violentas

sem destino o olhar absorto na transpiração animal sem tino ergueu a taça ao império dos sentidos da cidade enlouquecida

vinho e sémen furtivos na partição do pão de cada dia

chovem anúncios luminosos e portas por resinar à vista das árvores doentes e translúcidas

o sussurro da dormência afectiva da destruição

o deus da misericórdia era uma crisálida abandonada à angústia dos escombros cauterizados segregando da vida as máquinas mutantes da lascívia transmitida a cada gesto pelos curandeiros do sexo


justiça divina na mortalha cega da desilusão


a imprudência consome as últimas letras do ofício coladas à voragem do corpo e da sua verdade indiferente e confiante
como sinceridade agressiva e tumultuosa do riso nocturno

as coisas
            sonham
                      sonâmbulas
                tecidas pelo néctar
               das velas enfunadas
               pela neve cantadas

as montanhas escondem as colinas

as bailarinas sussurram à chuva amargurada de outono e a saudade acomoda-se na esperança

        louvado seja deus que não tem de a ter
                     que nada tem de ter

bastando-lhe o vinhal lavrado de cachos doirados com que embriaga a morte que assim não sabe o que faz

vinho bebedor e escanção é o gamo que no bosque se refugia na linha recta
                                das tranças de sarças

jogo do destino envolvido em jade

brilho de lua nos outeiros alagados de cedros e sândalo

na mesa de louça de barro por calcinar
abre-se o coração à lei dos espelhos frondejantes

também os homens nascidos na aurora
tremem de frio azul devastados por fome sibilante

                com o céu a desmoronar-se
               em sonhos-pedaços-de-coisas

o homem tinha as mãos crispadas de lume ao colo

                       perguntava-se como búzio que pergunta ao mar
                       o som ao eco
                       o peixe ao pântano
                       a nortada às raposas vermelhas da estepe

               que laço o prendia aos dias

a manhã clara acocorada num carro de prata entrava pela 
                 fresta da porta dos medos

o corvo de bico lilás aninhava-se na pele 
                                                   de uma cobra de água tépida

eva devorou no coração exausto de adão 
                                                  a serpente do arroubamento

desviver

o som profano das pastagens e a choupana de invisível sombra chamam-no
o céu azul de domingo de ramos na noite em que as virgens se transformam em folhas imortais clama pela mesa de fogo curvada e rodeada por corpos negros como tições a apodrecer nos versos antigos do aparador da casa grande da aldeia que junta em cinza todo o passado

partira na direcção do leste quando a lua se escondia nos seios das fragas

as aves começaram a 
                            acordar no espaço surdo
como se a escuridão da noite
                                       tivesse todas as portas do beijo e da paixão encerradas

debruçou-se no seu próprio corpo
                                              como se debruça nas nuvens floridas quem nasce para amar

olhou para as palmeiras com um pássaro verde e azul na cabeça

                    a semente do homem 

                          espalhara-se

                  chegara aos corredores vazios

     o mistério da sua fuga nunca seria desvendado

pequena porta de cave ecoava num sonho avermelhado

a pele gelada as mãos frias de vento de outono

os degraus exaustos com a luz do sol apagada

um jardineiro de papel à entrada dava a ideia de ausência glacial

gravatas e sobretudos cresciam nos cantos em vasos de plantas inventadas

um coxo debruça-se na máquina de fazer cigarros cumprimenta-a e despede-se até mais logo

as mulheres seminuas absortas na concentração vítrea do lucro tremiam

a noite a retinir semeava o mar de navios e de fantasmas

uma-oitava-acima cantava o desamparo de corsários ébrios

                 ia de novo evadir-se 
                do cárcere desgastado
               mas a porta escancarada 
               com as goelas a espreitar
                    tamponou o tempo
                 que só fora dela existia

a taça orgíaca numa mão
                             uma mulher orvalhada na outra
e a acidez da ansiedade 
                             a corroer-lhe o coração 
            aproado à volúpia do rumor 
          da madrugada no cais deserto

no arco desfeito
                    por sete estrias azuis

olho o reflexo da noite
                            no asfalto brilhante

com todos os seus corpos
                                 de sonho a errar sem destino

       caem por terra os grãos de cereal oculto
                 
             a quem o arado da angústia 

 não semeia no coração do anelo há tanto perdido

       no lume infernal das sete candeias ripárias

o menino é de oiro
foi violentado pela marginalidade da volúpia e do desejo canibalesco de quem se banqueteia com a culpa de sua própria carne
das fezes expelidas na atmosfera húmida das bocas imundas de sémen negro

o menino é de oiro
mas a justiça é negrura cega convertendo o oiro em lento esterco nauseabundo      putrefacto      pisado pelo veado dos anos-sem-fim
da corça que tarde sempre chegou às prescritas pastagens da cumeeira tardiamente enfeitiçada por carvões em brasa 

               em todas as coisas pequenas 
      nos ínfimos detalhes com asas de tempo
  morre a memória do homem com a mão no ombro
            e bolsos desflorados pela desonra

o menino é de oiro
venderam-lhe a pudicícia
                                na pedra do sacrifício

        estrangularam-no para todo o sempre 
            em cabos de velame cinza inerte 
          a olhar o tejo a desfilar indiferente 

a alma feliz senta-se à mesa

banqueteia-se com os restos mortais do papel amarelecido

maços de letras amontoadas no esquecimento entorpecido da capa escura 

o piano toca a madrugada do redentor


                       exausto afasta-se


abre-se a história sagrada da lenda e do incenso

o homem do horizonte prende-se a um pássaro de campo por ceifar

a árvore de tranças purpurinas cortada em sete pedaços

a alma dos ímpios mergulha numa melancia gigante à beira-rio

                       seis as talhadas 
                       seis os venenos 
                       seis as fraudes
               seis as ignomínias do lodo 

pisado suavemente por pescadores de púlpitos adormecidos em cadeiras bolorentas

          sete vezes setenta olvidados sem perdão

anunciação
     o vital reflexo da vida 
                   instante breve 
                               do adeus 
                                    do corpo imóvel
                                       vitorioso caos 
      do mármore sombrio e silente

nuvens presas por tiras de couro às trevas 

a fábula iluminada por poema larvar

a quem resta o mar adormecido

donde nascem estrelas

desenhadas na morte do declínio

o menino é de oiro
verde é a explosão no infinito da dor
do deus-dardo criador da miséria e do sofrimento acolhido na sombra do aguilhão ensanguentado

                      onde está o atirador

há a sombra do medo nas coisas que amo

há uma cave vazia no poço do tempo

há uma estrada vazia onde o dia finda

há um arbusto em movimento no ciclo misterioso do nascimento

há um vazio de riacho a correr nas veias da terra

há um castelo uma carruagem e um rei sem trono

há um campo de areia semeado com sal

há a calúnia do riso e o insulto da oração

há a voz cega dos objectos e a surdez muda dos homens

há o vento que sopra na mão cheia de ídolos alienados

há a ilusão do dia uno no carreiro do tudo
há a ilusão do tudo no caminho de um só dia

uma viagem por lisboa
a angústia de simples mortais enclausurada num transporte de multidão
uma viagem sem história

processionárias em fila interminável levantam a pata do verde velho cavalo branco de d. josé
uma mulher toca bombo num garoto

o grand voyager está ancorado em santa apolónia
                   o rio dorme a sesta
          uma inglesa coxa corre no vermelho
por todo o lado contentores cheios de dúvidas e um comboio amarelo de icterícia sem locomotiva
o governo de portugal passeia-se num cacilheiro

cartazes

descubra portugal um país que vale por mil

ossos saudáveis fazem-se com muito cálcio

           a luz que apaga o passar dos anos

meu pai
         na cama 
                   dum hospital de luxo

uma médica chinesa ou chinesa de macau explica o inelutável      julga que não confio em médicos
          adivinha
não confio em ninguém para além do vento crepuscular e da névoa que de manhã lava o convés das embarcações

da janela um pedaço de ponte suspende-se no horizonte

no quarto ao lado uma gralha

uma gaivota míope voa em círculos sobre os prédios riscados como bibes

                há movimento
              e há pisos cheios 
               de dor e morte

cinco ou seis horas      madrugada      à porta da padaria uma cigana velha
aprisionada em negro veludo      profundo
tão profundo quanto o universo invisível
um casal de jovens beija-se nos lábios gelados nas faces pálidas da noite acordada
um cigano pequeno de barbas brancas de gigante acaricia-as lentamente e olha para o céu procurando a sua alma numa estrela de que não sabe o nome
entretanto
                      a padaria abriu
                    e o céu fechou-se 
             na realidade do pão quente

o homem caminhava na margem fria do rio colorido pelas penas das aves selvagens

carregava consigo o fardo de séculos de ossos perfumados pela fútil agitação de conversações anacrónicas

ao norte as montanhas eram tensão e luta com pensamentos a resvalar nos rochedos

                   os campos brilhavam
            o sol espreitava por toda a parte
                as sombras desapareciam

             havia vida nas gotas de orvalho
           em todos os movimentos da brisa
            até na mais pequena das plantas

o homem parou

                um tronco de figueira estéril
                         uma corda antiga
                         entrançada à mão
                 na angústia pérfida dos dias

tudo findou
                o próprio dia morreu
                na asfixia do ar paralisado

                    ninguém o chorou
                         tudo cessou


o fundamento da razão era a razão

os lábios da verdade molhados por uma saliva espessa

olhos ensanguentados da vigília espraiavam-se nos pensamentos da cachoeira amarela

a ilusão do tempo
                      deslumbrada
percorria os quarteirões da falsa continuidade
mutação das ampulhetas
                      em mecanismos extravagantes

                       lerda
              assomava à janela
                    a insónia
       temperada pela silhueta negra
     dos últimos passageiros da noite 


***